Pular para o conteúdo principal

CENAS DE ADALGIZA

O olhar é algo que acontece no olho. Tudo que entra por ele quando olhamos para alguém. Mesmo quando olhamos no espelho. O olhar desperta coisas. Muda o olhar de quem olha e de quem é olhado. É como diz aquela música, leitor:

“- como é triste seu olhar.
- como assim? A tristeza de um olhar vem de outro olhar, vem de tanto olhar.
- como assim?
- pelo olhar pode haver um motim.
- Não entendi, mas senti que era o fim”.

O olhar também pode vir por detrás de óculos. Óculos trazem para perto o que está longe. Definem o que está embaçado. Também tem o olhar que vem por detrás dos óculos escuros. Óculos quando são escuros escondem os olhos de quem olha e despertam em que quem é olhado “um não saber como se é olhado”. Óculos escuros são cinematográficos e as pessoas quando usam ficam cinematográficas. Olham as outras pessoas de um lugar chamado palco – que é uma espécie de tablado mais alto onde uns ficam distintos dos outros – e as coisas são vistas dessa perspectiva. O palco também pode ser de vários tipos. Mas não importa. Quem está lá está em destaque. E olha desse lugar. E também tem o não-lugar. Que é o lugar onde não se está. Onde não se é. Adalgiza, que é tão adoravelmente feminina, pensa sobre meninos e meninas. Pensa na escrita das palavras vertida em atos, gestos e expressão de olhos. Através do azul por onde enxerga o mundo e as coisas, ela lê e interfere. Ela que às vezes repete o que lhe disse uma amiga entre risos:

“Pra quem poderia ter morrido aos dois anos, estar aqui faz uma grande diferença!” E solta seu texto nos ensaios de teatro duas vezes por semana:

“espero que você não se importe
que eu expresse em palavras
como a vida é maravilhosa
depois que você está no mundo;
embora nada poderá nos manter juntos
podemos roubar um tempo para ficar juntos”

E quando olha para o seu amor, pensa que olhar é propagar incêndios. E me conta que nem conhece a planta dos lugares por onde se embrenha, o local onde ficam os extintores. Pensa em portas corta-fogo. Pensa em roupas feitas desse material e óculos. Deveriam inventar óculos assim, ela diz. Pois se as janelas são os olhos da casa, os olhos são a janela da pessoa. Por onde você, fora do corpo, espreita o mundo dos outros e por onde eles olham o seu dentro. “Alguém já disse, Jim Morrison disse: “ver implica sempre uma violação da privacidade”. Os outros desvelando nosso dentro. Ele que falou sobre os olhos e ser olhado, sobre o toque e ser tocado, disse: “Que fazem os olhos durante o sono? Movem-se como espectadores de teatro. Os olhos são genitais da percepção e também instauram sua tirania. Usurpam a autoridade de outros sentidos”. Ela pergunta o que deve fazer diante disso. Desespera. Diz: “Eu? Pobre de mim! Por quanto tempo mais arrastarei as feridas narcísicas dos homens? Não sou o centro do universo, não sou divina e tão pouco dona de minha própria casa! E ainda tenho que aturar essa violação de privacidade? ”.

Adalgiza proclama palavras na sua vida-palco. Eu aplaudo. De pé.

Postagens mais visitadas deste blog

AH O AMOR. O TAL AMOR... É MINHA LEI, MINHA QUESTÃO ;)

Como minha avó, eu poderia dizer que amor é quando, juntos, se come um saco de sal; ou quando de um limão, se faz uma limonada. (mas com ou sem açúcar? ); eu mesma poderia dizer que amor é quando se faz um poema. quando se faz uma canção... quando se canta uma canção, pode ser amor. 
Quintana diz: “O amor é quando a gente mora um no outro”. Danilo Caymmi pergunta “O que é o amor? Onde vai dar? Parece não ter fim. Uma canção cheia de mar que bateu forte em mim”. 

Há quem diga que amor é tirar da própria boca para alimentar alguém, fazer o bem sem olhar a quem. (mas o que é o bem, não é? sabe lá.) Amar é discórdia; e Lacan aponta: “Amor é dar o que não se tem a quem não é”. Acho lindo (achar lindo acho que é amor).

 Eu amo.Tu amas. Nós amamos. Vós amais. Eles amam. Você ama. É a força do verbo. Alguns dizem que amar é jamais ter que pedir perdão. Outros que amar é sofrer. É rir junto e então olhar dentro do olho do outro, e rir mais ainda. Amar é conviver. Morrer. Ceder. Calar. Passar a bo…

MOVIMENTOS EM SI MAIOR ou TOCA RAUL

debaixo de MOVIMENTOS EM SI MAIOR  (diz a lenda  que si maior pode ser uma escala estranha, incômoda e cheia de sustenidos... ),anoiteço.

o que nubla em mim, transparece em meu cristalino. isso é algo que achei bonito mas é também a descrição da catarata. 
como o sangue é rio que irriga a carne, definir é para quando se pode e do jeito que é possível - são afirmações que capturo enquanto permaneço não essencial - tão somente unidade de informação e multiplicação e enquanto, jardim e orvalho, sorrio o doce-amargo de um hiato.
ainda assim, sou de fato objeto da seleção natural. composição molecular e desejo. misto de carbono e água. resultado da oscilação de taxas hormonais. vertigem nos braços de um homem. poção de acasos e paisagem equatorial. fenômeno imprevisto e desintegração. uma nota de perfume depois da passada. o início, o fim e o meio.

quer saber? toca Raul :)

OUTONIAS DE AMOR EM PROSA

sim, estou um pouco desgarrada; um pouco sonâmbula. é que tudo anda meio esquisito e talvez sem explicação. mas sim. acho que se fosse comida, coisa dentro da gaveta e até um poema, claro que seria sorriso dentro dos olhos, boca na pele e som da voz tilintando dentro. acho que sim, se fosse desenho, haveria um canto em branco para preencher. fosse sonho, ainda que acordado, haveria um rubro no ar a avermelhar bochechas. talvez fosse um caminho, e a pele e um roçar de braços no caminho. mas se fosse sonho mesmo,  dentro do sono,  depois dele talvez amanhã; talvez café. e se acaso durasse, sonho e vida, vapor, súplica e assovio; apesar da exatidão matemática e das flores rabiscando o chão, sim, ainda estaria aqui: cativa entre hábitos, maravilhas e aberrações.