Pular para o conteúdo principal
TEODORA SABE DAS COISAS
Teodora é moça que sabe das coisas. Sabe e aproveita para “se achar”. Assim mesmo: sem o menor pudor. Humildade? Ah, não senhor. E já que sabe tanto, diverte-se. Olha-se no espelho e ao invés da pergunta “Cinderela” afirma olhando bem dentro dos próprios olhos: Eu sou sim a última bolacha do pacote. Sou mais: sou o gás da Coca-Cola. E ri. Fartamente. Daqui de onde a espio, tenho que admitir: Ela é ótima! Não é à toa que se arvora, sobe no salto e fica por aí dando lição de moral em muita criatura. Feito outro dia que xingou e xingou o rapaz que arremessou uma latinha para fora do carro. Uma pessoa que arremessa latas ou qualquer coisa pela janela do carro não tem a menor consciência de educação e cuidado com o meio ambiente. Eu acho que ela está certa. Já que a maior parte das pessoas é tão condescendente com certos absurdos, ela bota a boca no trombone. E trata de deixar isso muito claro quando acontece perto dela. Também ficou tiririca com Isabel, que sempre faz ares de charmosa e tem sido sempre grosseira com garçons, frentistas e atendentes quando saem jutas. Então foi lá e soltou o verbo. Se uma pessoa é toda charmosa com você, mas grosseira com alguém que lhe presta um serviço, não tem como ser uma boa pessoa. E disse isso para Isabel que foi ficando roxa e vermelha com o inusitado da coisa. Aliás, anda se livrando de pessoas que falam muito de si e não abrem espaço para ouvir o outro. Essas, não estão a fim de compartilhar nada!  Livra-se delas. Mas o que a tirou definitivamente do sério foi Nestor! Pois não é que o cabra, num só movimento, roubou seu coração? Ah, não! Olha aqui, Nestor, meu coração é meu. Meu, ouviu? Você fica aí dizendo que me quer, mas não é capaz de um só ato significativo e honesto? Pois se o que você quer é ver a coisa rolando frouxa, rolando mole, fica com isso. Toma aqui essas balinhas. Tem chiclete também, quer? Cabra safado. Pega e some. Assim, com um só gesto, me livra de você e dessas balinhas que recebi de troco na lojinha de R$1,99. Recebi porque o cara me pegou num dia ruim e não pude reagir como gosto. Acho um absurdo! Que mania essa de dar balinha de troco! Ah! Se eu chego lá com um saco de balinhas para inteirar o dinheiro do abajur. Aí eu quero ver! Aliás, tá aí uma coisa que preciso fazer qualquer dia. Mas é isso, Nestor. Pega ou não essas balinhas e me erra. Vê se me erra de uma vez. Pra você eu repito o Garfield: “Você não passa de um inseto espatifado no para brisa da minha vida”. Pronto. É isso. Falei e tá falado. Você gosta de chegar e fazer bonito? Então, dessa vez fica pra mim. Arrasei e fui. Fui, Nestor. Da ponta do lápis, de novo eu admiro. E lembro Raul: “Eu que não me sento/No trono de um apartamento/Com a boca escancarada/Cheia de dentes/Esperando a morte chegar...”. Não, não. Há que se reagir. E como o poeta vou de verbo intransitivo: “Teadoro, Teodora”.

Postagens mais visitadas deste blog

AH O AMOR. O TAL AMOR... É MINHA LEI, MINHA QUESTÃO ;)

Como minha avó, eu poderia dizer que amor é quando, juntos, se come um saco de sal; ou quando de um limão, se faz uma limonada. (mas com ou sem açúcar? ); eu mesma poderia dizer que amor é quando se faz um poema. quando se faz uma canção... quando se canta uma canção, pode ser amor. 
Quintana diz: “O amor é quando a gente mora um no outro”. Danilo Caymmi pergunta “O que é o amor? Onde vai dar? Parece não ter fim. Uma canção cheia de mar que bateu forte em mim”. 

Há quem diga que amor é tirar da própria boca para alimentar alguém, fazer o bem sem olhar a quem. (mas o que é o bem, não é? sabe lá.) Amar é discórdia; e Lacan aponta: “Amor é dar o que não se tem a quem não é”. Acho lindo (achar lindo acho que é amor).

 Eu amo.Tu amas. Nós amamos. Vós amais. Eles amam. Você ama. É a força do verbo. Alguns dizem que amar é jamais ter que pedir perdão. Outros que amar é sofrer. É rir junto e então olhar dentro do olho do outro, e rir mais ainda. Amar é conviver. Morrer. Ceder. Calar. Passar a bo…

MOVIMENTOS EM SI MAIOR ou TOCA RAUL

debaixo de MOVIMENTOS EM SI MAIOR  (diz a lenda  que si maior pode ser uma escala estranha, incômoda e cheia de sustenidos... ),anoiteço.

o que nubla em mim, transparece em meu cristalino. isso é algo que achei bonito mas é também a descrição da catarata. 
como o sangue é rio que irriga a carne, definir é para quando se pode e do jeito que é possível - são afirmações que capturo enquanto permaneço não essencial - tão somente unidade de informação e multiplicação e enquanto, jardim e orvalho, sorrio o doce-amargo de um hiato.
ainda assim, sou de fato objeto da seleção natural. composição molecular e desejo. misto de carbono e água. resultado da oscilação de taxas hormonais. vertigem nos braços de um homem. poção de acasos e paisagem equatorial. fenômeno imprevisto e desintegração. uma nota de perfume depois da passada. o início, o fim e o meio.

quer saber? toca Raul :)

OUTONIAS DE AMOR EM PROSA

sim, estou um pouco desgarrada; um pouco sonâmbula. é que tudo anda meio esquisito e talvez sem explicação. mas sim. acho que se fosse comida, coisa dentro da gaveta e até um poema, claro que seria sorriso dentro dos olhos, boca na pele e som da voz tilintando dentro. acho que sim, se fosse desenho, haveria um canto em branco para preencher. fosse sonho, ainda que acordado, haveria um rubro no ar a avermelhar bochechas. talvez fosse um caminho, e a pele e um roçar de braços no caminho. mas se fosse sonho mesmo,  dentro do sono,  depois dele talvez amanhã; talvez café. e se acaso durasse, sonho e vida, vapor, súplica e assovio; apesar da exatidão matemática e das flores rabiscando o chão, sim, ainda estaria aqui: cativa entre hábitos, maravilhas e aberrações.