Pular para o conteúdo principal
ONDE MORAM AS PAIXÕES

Renata está sentada no banco do carro. Parece confortável. O ar condicionado está ligado, mas ela mantém seu vidro quase todo aberto. Os de trás abre apenas uma fresta. Ela, que não gosta de ambientes climatizados, pensa que assim o carro fica naturalmente ventilado e fresco. Escapa para o ar a fumaça do cigarro que ela traga. A fumaça que entra nela e que depois solta. Sabe que um tanto fica dentro dela. Dizem que se aloja nos pulmões, na corrente sanguínea. Mas ela acredita piamente que se aloja no seu cérebro. Sabe que a massa dentro da cabeça tem sulcos e giros. Acredita que a fumaça se aloja nos sulcos. Nesse mesmo lugar onde acredita que as ideias fixas moram. Você acalenta e acalenta certas ideias e então elas vão aprofundando esses sulcos. Caem lá e vão dando dimensão para esses tantos vazios. O castanho do olho de Renata resvala fora da direção que o carro toma. A compreensão é encantadora. As ideias moram nos sulcos. Criam rasgos na massa do cérebro. Que podem ser mais ou menos profundos. As fissuras. A maior delas divide o cérebro em hemisférico direito e esquerdo. E talvez seja por isso que certas ideias nascem mortas. Pelo antagonismo dos lados. Olha pelo retrovisor. Pensa em Pedro. Essa noite mais uma vez sonhou com ele e pensa o que esse homem tem dela. Tem vontade de estreitá-lo na parede e mandar a pergunta: O que você pegou de mim, Pedro? O que é meu e você tomou? Devolve de uma vez o que é meu e preciso encontrar. Eu preciso encontrar o que é meu e está com você. Preciso, entendeu? Interrompe o monólogo sem sentido e pensa nele. Pensa nele. O pensamento caprichoso desenha o sorriso de Pedro e também o dela quando ele aparece. Deriva. O sorriso que dá para ele se desenha na boca, mas pensando sobre as bases cerebrais, agora atina com a idéia de que sorrisos também moram nos sulcos. Nascem ali e de lá acionam os feixes que promovem o desenho da boca. Pensa que o sorriso dele para ela também deve morar no cérebro. Nos sulcos do cérebro dele. Onde moram também as idéias que ele tem e que depois acionam feixes que movimentam sua boca para falar. Também para calar. Sulcos e giros. Palavras e silêncios. Percebe que tudo se encaixa perfeitamente. A fisiologia da cumplicidade. As palavras que não têm força para movimentar as bocas. O silêncio que as emudece. Dizem que cerca de dois terços da área ocupada pelo córtex cerebral estão “escondidos” nos sulcos. Ela pensa em dois terços das suas ideias escondidas nos sulcos. Ideias escondidas. Fixas e escondidas. Dentro do carro, na estrada em que o carro desliza a velocidade sobre o tempo de Renata, ela carrega seu desejo entre tantas coisas. As imagens dos sulcos, as idéias e as palavras que saem ou não das bocas. O retrovisor mostra para ela o que vai ficando para trás. Seja o que for, ela sabe que desaparece quando fazemos a curva. Será? A verdade é que no cérebro, tudo funciona em rede onde todos os elementos exercem papéis regulatórios. E isso, como outras coisas no mundo científico, necessita de maiores explicações. De qualquer modo, aumenta o som do rádio para cantar com Bem Harper:

“That's it

There's no way

It's over, good luck

I've nothing left to say

It's only words

And what l feel

Won’t change”

Postagens mais visitadas deste blog

AH O AMOR. O TAL AMOR... É MINHA LEI, MINHA QUESTÃO ;)

Como minha avó, eu poderia dizer que amor é quando, juntos, se come um saco de sal; ou quando de um limão, se faz uma limonada. (mas com ou sem açúcar? ); eu mesma poderia dizer que amor é quando se faz um poema. quando se faz uma canção... quando se canta uma canção, pode ser amor. 
Quintana diz: “O amor é quando a gente mora um no outro”. Danilo Caymmi pergunta “O que é o amor? Onde vai dar? Parece não ter fim. Uma canção cheia de mar que bateu forte em mim”. 

Há quem diga que amor é tirar da própria boca para alimentar alguém, fazer o bem sem olhar a quem. (mas o que é o bem, não é? sabe lá.) Amar é discórdia; e Lacan aponta: “Amor é dar o que não se tem a quem não é”. Acho lindo (achar lindo acho que é amor).

 Eu amo.Tu amas. Nós amamos. Vós amais. Eles amam. Você ama. É a força do verbo. Alguns dizem que amar é jamais ter que pedir perdão. Outros que amar é sofrer. É rir junto e então olhar dentro do olho do outro, e rir mais ainda. Amar é conviver. Morrer. Ceder. Calar. Passar a bo…

MOVIMENTOS EM SI MAIOR ou TOCA RAUL

debaixo de MOVIMENTOS EM SI MAIOR  (diz a lenda  que si maior pode ser uma escala estranha, incômoda e cheia de sustenidos... ),anoiteço.

o que nubla em mim, transparece em meu cristalino. isso é algo que achei bonito mas é também a descrição da catarata. 
como o sangue é rio que irriga a carne, definir é para quando se pode e do jeito que é possível - são afirmações que capturo enquanto permaneço não essencial - tão somente unidade de informação e multiplicação e enquanto, jardim e orvalho, sorrio o doce-amargo de um hiato.
ainda assim, sou de fato objeto da seleção natural. composição molecular e desejo. misto de carbono e água. resultado da oscilação de taxas hormonais. vertigem nos braços de um homem. poção de acasos e paisagem equatorial. fenômeno imprevisto e desintegração. uma nota de perfume depois da passada. o início, o fim e o meio.

quer saber? toca Raul :)

OUTONIAS DE AMOR EM PROSA

sim, estou um pouco desgarrada; um pouco sonâmbula. é que tudo anda meio esquisito e talvez sem explicação. mas sim. acho que se fosse comida, coisa dentro da gaveta e até um poema, claro que seria sorriso dentro dos olhos, boca na pele e som da voz tilintando dentro. acho que sim, se fosse desenho, haveria um canto em branco para preencher. fosse sonho, ainda que acordado, haveria um rubro no ar a avermelhar bochechas. talvez fosse um caminho, e a pele e um roçar de braços no caminho. mas se fosse sonho mesmo,  dentro do sono,  depois dele talvez amanhã; talvez café. e se acaso durasse, sonho e vida, vapor, súplica e assovio; apesar da exatidão matemática e das flores rabiscando o chão, sim, ainda estaria aqui: cativa entre hábitos, maravilhas e aberrações.