Pular para o conteúdo principal

CARTA DE DORA PARA FERNANDO

Resultado de imagem para as coisas nao tem paz



Oi Fernando. sabe; eu gosto de você. gosto também de luz indireta mas há momentos em que é preciso por luz direto no foco. um não sei que pedaço de memória me arrebatou do infinito onde eu estava até esse de agora. foram talvez palavras que, em algum momento, me suspenderam e eu pude quase repousar sobre elas. sim, era macio. depois, foram outros movimentos que me conduziam a um quase susto. o coração disparava em saltos e eu saltava junto. não sei, penso agora em possíveis modos para a paixão. é. eu gosto de você. gostei assim que vi. mas depois houve um silêncio que me escapava.  um rastro de medo que eu não tenho em mim. coisa fugidia que quer escapar. não sei. talvez por isso, entre umas melhores e outras maltraçadas linhas repletas de azulesferográfica e talvez um odor amigo com resquício de componente hormonal, ou no caso, a falta dele, e somado àquela boa e velha tendência patológica que tenho à melancolia, é que escrevo essa carta. eu daqui e você daí e o que se tem é cumplicidade em dia de faxina: vasculhar possibilidades em todos os fluidos e elementos corporais para depois, no consultório diante de um médico qualquer, histerizar: preciso de uma bateria completa de exames!. de quando em quando o fluxo de consciência é interrompido. se mistura com outros pulsos e macios. o amor à flor da pele tem pequenas veias que se incham e saem se esparramando e enervando o corpo todo. desde o pé até a face que avermelha diante de você. o médico, um remédio qualquer, o que pode impedir o coração de doer enquanto bate? deve haver algo entre essa alternância de dias de depressão intercalados com dias de euforia. deve ser psicose. na escala da cidade onde vivo, debaixo da chuva corriqueira e da umidade permanente, há dias de sol intenso sobre o encontro do rio com o mar e os desenhos que riscam a areia com essa mistura. um mar quase doce para se restar. ali o infinito faz caleidoscópio. faz peso e faz massa. faz volume para as coisas. e as coisas? bem, essas não tem paz. mas te deixo com a sua, Dora.



Postagens mais visitadas deste blog

AH O AMOR. O TAL AMOR... É MINHA LEI, MINHA QUESTÃO ;)

Como minha avó, eu poderia dizer que amor é quando, juntos, se come um saco de sal; ou quando de um limão, se faz uma limonada. (mas com ou sem açúcar? ); eu mesma poderia dizer que amor é quando se faz um poema. quando se faz uma canção... quando se canta uma canção, pode ser amor. 
Quintana diz: “O amor é quando a gente mora um no outro”. Danilo Caymmi pergunta “O que é o amor? Onde vai dar? Parece não ter fim. Uma canção cheia de mar que bateu forte em mim”. 

Há quem diga que amor é tirar da própria boca para alimentar alguém, fazer o bem sem olhar a quem. (mas o que é o bem, não é? sabe lá.) Amar é discórdia; e Lacan aponta: “Amor é dar o que não se tem a quem não é”. Acho lindo (achar lindo acho que é amor).

 Eu amo.Tu amas. Nós amamos. Vós amais. Eles amam. Você ama. É a força do verbo. Alguns dizem que amar é jamais ter que pedir perdão. Outros que amar é sofrer. É rir junto e então olhar dentro do olho do outro, e rir mais ainda. Amar é conviver. Morrer. Ceder. Calar. Passar a bo…

MOVIMENTOS EM SI MAIOR ou TOCA RAUL

debaixo de MOVIMENTOS EM SI MAIOR  (diz a lenda  que si maior pode ser uma escala estranha, incômoda e cheia de sustenidos... ),anoiteço.

o que nubla em mim, transparece em meu cristalino. isso é algo que achei bonito mas é também a descrição da catarata. 
como o sangue é rio que irriga a carne, definir é para quando se pode e do jeito que é possível - são afirmações que capturo enquanto permaneço não essencial - tão somente unidade de informação e multiplicação e enquanto, jardim e orvalho, sorrio o doce-amargo de um hiato.
ainda assim, sou de fato objeto da seleção natural. composição molecular e desejo. misto de carbono e água. resultado da oscilação de taxas hormonais. vertigem nos braços de um homem. poção de acasos e paisagem equatorial. fenômeno imprevisto e desintegração. uma nota de perfume depois da passada. o início, o fim e o meio.

quer saber? toca Raul :)

OUTONIAS DE AMOR EM PROSA

sim, estou um pouco desgarrada; um pouco sonâmbula. é que tudo anda meio esquisito e talvez sem explicação. mas sim. acho que se fosse comida, coisa dentro da gaveta e até um poema, claro que seria sorriso dentro dos olhos, boca na pele e som da voz tilintando dentro. acho que sim, se fosse desenho, haveria um canto em branco para preencher. fosse sonho, ainda que acordado, haveria um rubro no ar a avermelhar bochechas. talvez fosse um caminho, e a pele e um roçar de braços no caminho. mas se fosse sonho mesmo,  dentro do sono,  depois dele talvez amanhã; talvez café. e se acaso durasse, sonho e vida, vapor, súplica e assovio; apesar da exatidão matemática e das flores rabiscando o chão, sim, ainda estaria aqui: cativa entre hábitos, maravilhas e aberrações.