Pular para o conteúdo principal

O DICIONARIO DAS TRISTEZAS OBSCURAS


Dias atrás deparei com um post no Facebook sobre o trabalho de um artista no que ele nomeou de O Dicionário das Tristezas Obscuras.Criado pelo artista John Koenig, o Dicionário das Tristezas Obscuras, é uma coleção de palavras inventadas, que servem para oficializar emoções que as pessoas sentem mas não conseguem explicar. Visitem o site! eu fui atingida em cheio pela criação de Koenig :)  palavras cordão para um tanto de coisas que não dá pra nomear... e não resisti!!! fiz um escritinho misturando algumas delas :) espero que gostem!!


RELATOS AGORA NOMEÁVEIS

Acordei tomada de adronitis. o tempo passo e penso em quanto tempo leva para ter a sensação de conhecer alguém? não sei... estou com ambedo, absorta de tal modo com alguns pequenos detalhes da vida e sua intensa fragilidade, que tenho ganas de anchorage, sabe? de segurar esse tempo que corre e me me desequilibra bem no meio da correnteza.  é pura anemoia; a nostalgia de uma paz que desconheço um dia ter vivido!

 Lembro de amigos reunidos em algum lugar do passado e já é anthrodynia me invadindo e me fazendo ver o quão esquisito se pode ser. É humano e ainda assim vem esse estado de quase exaustão. uma onda de ballagàrraidh traz a ideia da força que há em mim para resistir à domesticação. Eu não quero ser domesticada! Súbito me invade uma sensação antiga: de ecstatic shock, sabe?

É então que me deixo invadir pelo olhar de relance de Dipsy e Arnica. Tão afeitos a mim. Tão vívidos na sua vida cã. Sou invadida de ellipsism por desconhecer como as coisas vão terminar. Não adianta e não importa, mas olhar para o futuro e ser tomado de uma onda de énouement tem no mínimo, um sabor agridoce. E eu, embora adore sentir na papila sal e doce misturados... enfim!

Saber onde vai dar e ainda assim ser incapaz de conter o fluxo de suas ações é uma uma coisa agridoce ;) o eu de hoje e ou eu de amanhã não sabem conversar.... e tudo piora quando vem exulansis. Falar para quê? 

Ao fim e ao cabo, ao olhar para o lado o que sobra é um estranho sentimento de gnossienne: impossível atingir a couraça do outro! e então a solução é jouska jouska jouska jouska: uma conversa hipotética e convulsiva comigo mesma e que repito sem parar até que ceda essa sensação. No fim talvez tudo seja questão de tentar aprender a lidar com kairosclerosis - quando se percebe conscientemente que está feliz e se depara com questionamentos esquizofrênicos sobre felicidade e vai vendo sua hipotética felicidade consciente se dissolver bem embaixo do seu nariz e consciência!!!! 

Felicidade é inconsciente. E é passageira. ponto! Pura sensação de kenopsia; que é o que sinto quando olho para Tucksland; o povoado em que vivo, e que tem agora essa atmosfera algo misteriosa e desamparada de um lugar que foi e já não é. 

Mas ainda assim é bom estar aqui. Me invade às vezes uma onda de lachesis e admito a possibilidade de ser atingida por um desastre – sobreviver a uma queda de avião, ou perder tudo de forma irremediável... mas o que há de lutalica em mim quer crescer, e é absurda a ideia de que se eu escapar de uma categoria entro em outra. Isso é real e irremediável. Exato como disse meu analista: em alguma estatística você vai cair!

 Então o quê fazer? entre a mimeomia e monachopsis... o que fazer? Frustração por me encaixar ou não em um estereótipo e a sensação sutil mas persistente de estar fora de lugar... Nodus tollens: o roteiro da minha vida já não faz o menor sentido! 

Não bastasse vem pior: onism. a frustração de estar presa em apenas um corpo que habita apenas um lugar por vez. Depois da opia que senti quando olhei nos olhos de Edgar... putz... que fazer com a intensidade ambígua de se olhar alguém nos olhos, e se sentir simultaneamente invasivo e vulnerável. Fui invadida. Penso nele e um sentimento de sonder me invade. O que fazer se cada pessoa tem uma vida tão vívida e complexa quanto a sua – populada por ambições, amigos, rotinas, preocupações e loucura? Só scabulous te salva: Sentir orgulho de uma cicatriz. Como um autógrafo dado a você pelo mundo. Mas nada disso impede the bends e a sensação frustrante de perceber que não se está proveitando uma experiência tanto quanto deveria. 

Queria talvez acreditar em waldosia. Em pensar que alguém no meio de uma multidão, está procurando uma pessoa específica. E é esse exatamente por esse motivo que acontece o encontro; mas nada muda o sentimento de zenosyne: a sensação de que o tempo está passando cada vez mais rápido e yu yi quer te invadir. Algo intensamente novo por  favor!!!!  

O fato é que tudo muda o tempo todo mas nada muda occhiolism e o dar-se conta da pequenês da perspectiva aqui e da impossibilidade de chegar a qualquer conclusão significativa sobre o mundo, o passado, as complexidades da cultura ou do amor. 

A solução pode ser iniciar por reverse shibboleth e a prática de atender o telefone com um “alô?” genérico, como se você soubesse quem está ligando e não se importasse. O que pode sobrar dessa experiência? Rückkehrunruhe; que é o sentimento de voltar para casa depois de uma viagem imersiva, e perceber que toda a experiência já está desaparecendo rapidamente da sua consciência. Mas calma... Existe chrysalism e a tranquilidade confortável de se estar dentro de casa durante uma tempestade. Isso é muito bom! 

E Des Vu para começar a acabar :) porque sim: isso tudo um dia vai virar lembrança. e virá, certamente, lalalalia. sim... e você vai se dar conta, enquanto fala sozinho, que outra pessoa pode estar vendo ou escutando, e você vai se ver transformando suas sérias palavras em algum cantarolar sem sentido. 

Um dia se importará menos com as coisas. sentirá liberais, e todo esses sentimentos conjugados e nomeáveis terão a graça de agora serem nomeáveis e você apenas desfrutará da alegria de tomar um sorvete em frente ao mar num dia qualquer de verão. 

Postagens mais visitadas deste blog

AH O AMOR. O TAL AMOR... É MINHA LEI, MINHA QUESTÃO ;)

Como minha avó, eu poderia dizer que amor é quando, juntos, se come um saco de sal; ou quando de um limão, se faz uma limonada. (mas com ou sem açúcar? ); eu mesma poderia dizer que amor é quando se faz um poema. quando se faz uma canção... quando se canta uma canção, pode ser amor. 
Quintana diz: “O amor é quando a gente mora um no outro”. Danilo Caymmi pergunta “O que é o amor? Onde vai dar? Parece não ter fim. Uma canção cheia de mar que bateu forte em mim”. 

Há quem diga que amor é tirar da própria boca para alimentar alguém, fazer o bem sem olhar a quem. (mas o que é o bem, não é? sabe lá.) Amar é discórdia; e Lacan aponta: “Amor é dar o que não se tem a quem não é”. Acho lindo (achar lindo acho que é amor).

 Eu amo.Tu amas. Nós amamos. Vós amais. Eles amam. Você ama. É a força do verbo. Alguns dizem que amar é jamais ter que pedir perdão. Outros que amar é sofrer. É rir junto e então olhar dentro do olho do outro, e rir mais ainda. Amar é conviver. Morrer. Ceder. Calar. Passar a bo…

MOVIMENTOS EM SI MAIOR ou TOCA RAUL

debaixo de MOVIMENTOS EM SI MAIOR  (diz a lenda  que si maior pode ser uma escala estranha, incômoda e cheia de sustenidos... ),anoiteço.

o que nubla em mim, transparece em meu cristalino. isso é algo que achei bonito mas é também a descrição da catarata. 
como o sangue é rio que irriga a carne, definir é para quando se pode e do jeito que é possível - são afirmações que capturo enquanto permaneço não essencial - tão somente unidade de informação e multiplicação e enquanto, jardim e orvalho, sorrio o doce-amargo de um hiato.
ainda assim, sou de fato objeto da seleção natural. composição molecular e desejo. misto de carbono e água. resultado da oscilação de taxas hormonais. vertigem nos braços de um homem. poção de acasos e paisagem equatorial. fenômeno imprevisto e desintegração. uma nota de perfume depois da passada. o início, o fim e o meio.

quer saber? toca Raul :)

OUTONIAS DE AMOR EM PROSA

sim, estou um pouco desgarrada; um pouco sonâmbula. é que tudo anda meio esquisito e talvez sem explicação. mas sim. acho que se fosse comida, coisa dentro da gaveta e até um poema, claro que seria sorriso dentro dos olhos, boca na pele e som da voz tilintando dentro. acho que sim, se fosse desenho, haveria um canto em branco para preencher. fosse sonho, ainda que acordado, haveria um rubro no ar a avermelhar bochechas. talvez fosse um caminho, e a pele e um roçar de braços no caminho. mas se fosse sonho mesmo,  dentro do sono,  depois dele talvez amanhã; talvez café. e se acaso durasse, sonho e vida, vapor, súplica e assovio; apesar da exatidão matemática e das flores rabiscando o chão, sim, ainda estaria aqui: cativa entre hábitos, maravilhas e aberrações.