Pular para o conteúdo principal

SOBRE GAVETAS

Olá leitor! Mais um ano termina e outro começa. Esse ano eu caí com a crônica de Natal e do reveillon. Sendo uma pessoas fácil-fácil de enxergar o sub-texto das coisas que me acontecem (inclusive é verdade que muitas vezes enxergo o que não existe), logo pensei: isso quer me dizer alguma coisa... Dias assim nos chegam como possibilidade de organização que se apresenta e que a gente então aproveita para olhar melhor papéis e coisas que fomos amontoando. Organizar a vida e as gavetas. E aí me lembrei de uma crônica muito bacana do Antonio Prata, chamada GAVETA, onde ele fala dos pensamentos que surgem em meio à sua arrumação (precisa ganhar mais dinheiro, terminar seu romance, ler Proust, procurar um analista, arrumar uma secretária...), e que termina de modo surpreendente. Lembro um poema que fiz com o mesmo nome e, como ele, penso que somos sim o conteúdo de nossas gavetas. Elas nos definem e declaram de nós. Minha mente viaja rapidamente para a ideia do funcionamento cerebral organizado como arquivo de pastas suspensas, e daí (romântica que sou), começo a pensar não em arquivos e pastas, mas em gavetas. E tudo começa a tomar um sentido poético. Nós mesmos como lindas cômodas. Daquelas antigas, rococós, cheias de gavetas, gavetinhas e gavetões. Com pátina ou verniz, mas de madeira de lei, de tutano. Talvez pela carga de final de ano, talvez por romantismo, salto das expectativas futuras para desejos tão guardados que até cheguei a esquecer no decorrer dos anos. Vejo chamazinhas crepitarem e caio no presente. Porque o passado será o que eu fizer hoje e o futuro também. E as gavetas todas estão em mim. Uma porção delas. Umas eu abro todos os dias, outras eu tranco e jogo a chave fora, ou perco. Tem aquelas que eu queria caber dentro. Trancar por dentro e engolir a chave. Tem gavetas que guardam segredos e outras que são lindamente escancaradas ou desvendadas. Algumas são abertas sem que eu perceba, e então sou obrigada a olhar o que está lá dentro. Outras até nos esquecemos delas. Um dia abrimos e lá está a surpresa. Podemos jogar fora, ou quem sabe, descobrir um uso novo para aquele conteúdo. Certas gavetas ficam sempre tão aparentemente fechadinhas. Só os amigos especiais sabem que elas estão abertas. E então mostram pra nós o lá dentro. Tem também as que a vida abre. A gente até tranca e engole a chave. Mas a vida coloca explosivos... E elas começam a abrir e a gente começa a ver. Tão bom isso. Poder esquecer, lembrar, trancar, arrombar a fechadura, ver. Poder arrumar isso de vez em quando, ou toda semana, todo ano. Ou manter em ordem para evitar complicações. Ou virar tudo de cabeça para baixo – em cima da mesa da sala. Então, em meio à minha bagunça de 2009, repito a fala de Antonio Prata: “2010 que venha”! Gaveta não há de faltar! Além do que, caso resolva aguardar mais um tempo sem mexer nisso - eu adoro baús e cômodas cheias de gavetas – jogo tudo lá dentro. Quando possível eu abro. Deixo aqui o meu poema. (Ano que vem nos vemos.)  Que todos tenhamos um lindo início de ano. Nós e o conteúdo de nossas gavetas.


Gaveta

vasculho a gaveta do apartamento da rua boa vista

o fio retorcido envolve a lâmpada

quem sabe aquela que iluminou um dia escuro aqui na praia

depois que fizemos amor à luz de velas

um resto de fio para varal – aquele que te pedi

lembro das roupas que ainda esperam por ele

pregos, parafusos, tomadas,

se confundem com o pó de madeira

chaves, cadeados

um resto de veda rosca

não pode conter esse fluxo

duas luvas esquerdas, restos de fita isolante colados em

pedaços de papel

sacos plásticos, extensões

tento soltar, desfazer nós

mal posso distinguir nossa vida amalgamada.

Postagens mais visitadas deste blog

AH O AMOR. O TAL AMOR... É MINHA LEI, MINHA QUESTÃO ;)

Como minha avó, eu poderia dizer que amor é quando, juntos, se come um saco de sal; ou quando de um limão, se faz uma limonada. (mas com ou sem açúcar? ); eu mesma poderia dizer que amor é quando se faz um poema. quando se faz uma canção... quando se canta uma canção, pode ser amor. 
Quintana diz: “O amor é quando a gente mora um no outro”. Danilo Caymmi pergunta “O que é o amor? Onde vai dar? Parece não ter fim. Uma canção cheia de mar que bateu forte em mim”. 

Há quem diga que amor é tirar da própria boca para alimentar alguém, fazer o bem sem olhar a quem. (mas o que é o bem, não é? sabe lá.) Amar é discórdia; e Lacan aponta: “Amor é dar o que não se tem a quem não é”. Acho lindo (achar lindo acho que é amor).

 Eu amo.Tu amas. Nós amamos. Vós amais. Eles amam. Você ama. É a força do verbo. Alguns dizem que amar é jamais ter que pedir perdão. Outros que amar é sofrer. É rir junto e então olhar dentro do olho do outro, e rir mais ainda. Amar é conviver. Morrer. Ceder. Calar. Passar a bo…

MOVIMENTOS EM SI MAIOR ou TOCA RAUL

debaixo de MOVIMENTOS EM SI MAIOR  (diz a lenda  que si maior pode ser uma escala estranha, incômoda e cheia de sustenidos... ),anoiteço.

o que nubla em mim, transparece em meu cristalino. isso é algo que achei bonito mas é também a descrição da catarata. 
como o sangue é rio que irriga a carne, definir é para quando se pode e do jeito que é possível - são afirmações que capturo enquanto permaneço não essencial - tão somente unidade de informação e multiplicação e enquanto, jardim e orvalho, sorrio o doce-amargo de um hiato.
ainda assim, sou de fato objeto da seleção natural. composição molecular e desejo. misto de carbono e água. resultado da oscilação de taxas hormonais. vertigem nos braços de um homem. poção de acasos e paisagem equatorial. fenômeno imprevisto e desintegração. uma nota de perfume depois da passada. o início, o fim e o meio.

quer saber? toca Raul :)

OUTONIAS DE AMOR EM PROSA

sim, estou um pouco desgarrada; um pouco sonâmbula. é que tudo anda meio esquisito e talvez sem explicação. mas sim. acho que se fosse comida, coisa dentro da gaveta e até um poema, claro que seria sorriso dentro dos olhos, boca na pele e som da voz tilintando dentro. acho que sim, se fosse desenho, haveria um canto em branco para preencher. fosse sonho, ainda que acordado, haveria um rubro no ar a avermelhar bochechas. talvez fosse um caminho, e a pele e um roçar de braços no caminho. mas se fosse sonho mesmo,  dentro do sono,  depois dele talvez amanhã; talvez café. e se acaso durasse, sonho e vida, vapor, súplica e assovio; apesar da exatidão matemática e das flores rabiscando o chão, sim, ainda estaria aqui: cativa entre hábitos, maravilhas e aberrações.