Pular para o conteúdo principal

ALGUMAS COISAS QUE SEI

Crônica publicada no jornal A Notícia de Joinville. caderno ANEXO, p.03 em 14 de janeiro de 2010.


1. Uma pessoa que arremessa latas de refrigerante ou cerveja pela janela do carro não tem a menor consciência de educação e cuidado com o meio ambiente. Deixe isso claro quando acontecer perto de você.

2. Uma pessoa que é toda charmosa com você, mas grosseira com alguém que lhe presta um serviço, não tem como ser uma boa pessoa. Diga isso para ela.

3. Incomodam-se menos com a gente do que a gente pensa. Não tenha medo de ser feliz!

4. Pessoas que falam muito de si e não abrem espaço para ouvir o outro, não estão a fim de compartilhar nada. Livre-se delas.

5. Definitivamente certas vezes é melhor calar-se. Saiba enxergar esses momentos.

6. Certas vezes é fundamental botar a boca no trombone. Instrua-se sobre a população argentina e seus famosos “panelaços”. Somos muito mansos aqui no Brasil. Muito mansos.

7. É bom aventurar-se romanticamente em algumas atividades que desenvolvemos, mas o fazer com afinco, rigor técnico e disciplina é que pode nos lançar nas verdadeiras aventuras.

8. Embora possam amar você de qualquer jeito, busque ampliar-se. Sempre.

9. Quando alguém roubar seu coração, vá lá e tome-o de volta. Seu coração é seu. Dê em troca umas balinhas. Chiclete também pode ser.

10. Falando em balinhas, quando quiserem dar seu troco em balinhas, recuse. Sai mais barato comprar quando tiver vontade; além do que, de centavo em centavo o pessoal do comércio faz verdadeiras fortunas e você fica com as balas.

11. Se puder e tiver chance, ame uma pessoa “errada”. 100% de chance de ela “iluminar” sua evolução absolutamente necessária.

12. Olhe com atenção para a maneira como descarta resíduos em sua casa. Acondicionando corretamente, um saquinho plástico abriga muito mais. Use com moderação e critério.

13. Mande embora os pensamentos individuais. Pense no todo, no contexto. Vai ver que o individual ganha outra dimensão.

14. Ninguém é obrigado a gostar de política, mas ela afeta nossa vida. 2010 é ano de eleição. Busque informar-se por diversos canais.

15. “Um inseto espatifado no parabrisa da minha vida” – uma fala do Garfield quando seu dono traz um cachorro pra casa e ele se vê obrigado a dividir seu espaço - é algo pra se ouvir e dar uma boa risada.

16. Assuma que certas vezes sua vida é caranguejo: anda pra trás. Dê esses passos tranquilamente aceitando a ideia de que algumas vezes é preciso recuar para depois avançar. Não é clichê. É vida.

17. O corpo guarda nosso dentro e nossa casa guarda nosso corpo. Entender essa dinâmica nos abriga das tempestades diversas. Nos livra de corromper nossos invólucros. Pense na sobrevivência. Pense nos caramujos.

18. Arrume um tempo na sua vida para escutar “Paciência” de Lenine. A vida é realmente rara.

19. E por falar em música, é bom fechar os olhos e dançar ao ritmo das badaladas. Faça isso. Deixe seu corpo falar.

20. Amando a poesia como amo – sobretudo o efeito dela – recomendo: poeme-se.

21. E falando em poesia, leia em voz alta e bem pausadamente este trecho de um poema da Viviane Mosé:

“...e por falar em sexo quem anda me comendo

é o tempo

na verdade faz tempo mas eu escondia

porque ele me pegava à força e por trás

um dia resolvi encará-lo de frente e disse: tempo

se você tem que me comer

que seja com o meu consentimento

e me olhando nos olhos

acho que ganhei o tempo

de lá pra cá ele tem sido bom comigo

dizem que ando até remoçando.”

Postagens mais visitadas deste blog

AH O AMOR. O TAL AMOR... É MINHA LEI, MINHA QUESTÃO ;)

Como minha avó, eu poderia dizer que amor é quando, juntos, se come um saco de sal; ou quando de um limão, se faz uma limonada. (mas com ou sem açúcar? ); eu mesma poderia dizer que amor é quando se faz um poema. quando se faz uma canção... quando se canta uma canção, pode ser amor. 
Quintana diz: “O amor é quando a gente mora um no outro”. Danilo Caymmi pergunta “O que é o amor? Onde vai dar? Parece não ter fim. Uma canção cheia de mar que bateu forte em mim”. 

Há quem diga que amor é tirar da própria boca para alimentar alguém, fazer o bem sem olhar a quem. (mas o que é o bem, não é? sabe lá.) Amar é discórdia; e Lacan aponta: “Amor é dar o que não se tem a quem não é”. Acho lindo (achar lindo acho que é amor).

 Eu amo.Tu amas. Nós amamos. Vós amais. Eles amam. Você ama. É a força do verbo. Alguns dizem que amar é jamais ter que pedir perdão. Outros que amar é sofrer. É rir junto e então olhar dentro do olho do outro, e rir mais ainda. Amar é conviver. Morrer. Ceder. Calar. Passar a bo…

MOVIMENTOS EM SI MAIOR ou TOCA RAUL

debaixo de MOVIMENTOS EM SI MAIOR  (diz a lenda  que si maior pode ser uma escala estranha, incômoda e cheia de sustenidos... ),anoiteço.

o que nubla em mim, transparece em meu cristalino. isso é algo que achei bonito mas é também a descrição da catarata. 
como o sangue é rio que irriga a carne, definir é para quando se pode e do jeito que é possível - são afirmações que capturo enquanto permaneço não essencial - tão somente unidade de informação e multiplicação e enquanto, jardim e orvalho, sorrio o doce-amargo de um hiato.
ainda assim, sou de fato objeto da seleção natural. composição molecular e desejo. misto de carbono e água. resultado da oscilação de taxas hormonais. vertigem nos braços de um homem. poção de acasos e paisagem equatorial. fenômeno imprevisto e desintegração. uma nota de perfume depois da passada. o início, o fim e o meio.

quer saber? toca Raul :)

OUTONIAS DE AMOR EM PROSA

sim, estou um pouco desgarrada; um pouco sonâmbula. é que tudo anda meio esquisito e talvez sem explicação. mas sim. acho que se fosse comida, coisa dentro da gaveta e até um poema, claro que seria sorriso dentro dos olhos, boca na pele e som da voz tilintando dentro. acho que sim, se fosse desenho, haveria um canto em branco para preencher. fosse sonho, ainda que acordado, haveria um rubro no ar a avermelhar bochechas. talvez fosse um caminho, e a pele e um roçar de braços no caminho. mas se fosse sonho mesmo,  dentro do sono,  depois dele talvez amanhã; talvez café. e se acaso durasse, sonho e vida, vapor, súplica e assovio; apesar da exatidão matemática e das flores rabiscando o chão, sim, ainda estaria aqui: cativa entre hábitos, maravilhas e aberrações.