Pular para o conteúdo principal

PRÊMIO JOINVILLE DE LITERATURA - Crônica publicada no Jornal A notícia em 10 de dezembro de 2009.

PRÊMIO JOINVILLE DE LITERATURA


Quinta-feira, 03 de dezembro, aconteceu no Anfiteatro da Biblioteca da Univille, a 6° edição do Prêmio Joinville de Literatura. A novidade dessa edição é justamente a participação da Univille através da Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários que agora se une ao departamento de Letras, ao programa de extensão Proler e a Mercado de Comunicação para a realização do concurso. Todos unidos para abarcar a movimentação literária e cultural que ocorre na cidade por conta disso. É algo que, como eu disse a respeito da feira do livro de Porto Alegre, não pode passar sem se comentar. Por que? Porque ano a ano a ideia se amplia, os talentos se ampliam e o evento ganha dimensão. A edição atual teve 391 inscritos (o dobro da última edição), participando na categoria poemas e também contos e crônicas. Uma novidade também que se reforça esse ano é a integração de outros municípios, envolvendo Araquari, Barra Velha, Barra do Sul, Campo Alegre, Corupá, Garuva, Guaramirim, Itaiópolis, Itapoá, Jaraguá do Sul, Mafra, Massaranduba, Monte Castelo, Papanduva, Rio Negrinho, São Bento do Sul, São Francisco do Sul, São João do Itaperiú e Schroeder. E o desejo da palavra vai diluindo os limites. Foram 6 vencedores nas duas categorias e mais 4 menções honrosas. Para aqueles que tiraram seus textos da gaveta, ou que escreveram pela primeira vez incentivados pela ideia, ou que já caminham nessa seara, o que fica é o que o trabalho proporciona. O espaço que se abre para aqueles que fazem da palavra escrita sua maneira de comunicar, de dar a ver. Que desencadeia a produção de textos e faz circular a palavra. Como colocou a pró-reitora de extensão e assuntos comunitários da Univille, Berenice Rocha Zabbot Gracia, “o concurso abre um momento de reflexão sobre a arte e permite que a sociedade se torne mais leitora, crítica e comprometida com a realidade social”. Ana Ribas Diefenthaeler, coordenadora editorial do Prêmio, coloca que a literatura se faz entre amigos. Elas estão certas. Acima de tudo são pessoas que se fazem amigas da e pela palavra - fazendo dela sua forma de expressão - e fomentam a ideia de uma sociedade leitora. Como Ivan Ferraz Lemke, primeiro lugar na categoria poesia com o poema “Membrana”. Ele disse entre a surpresa e a alegria, “procuro ler mais do escrevo”. Juntamente com ele, Gleber Pieniz, Melanie Peter, Denise Warneck, Jefferson Kielwagen, Fernanda Lange, Claudio Vittória, Philipe Hugo Fransozi e Joyce Jaqueline Diehl. Todos eles e mais todos os outros que participaram descascados em seus textos e fundados na palavra. Palavra que silencia, que corta, que arrebata e então nos faz pensar ainda mais na beleza desse Prêmio. No que ele oportuniza para quem se dedica. Termino deixando alguns versos do poema premiado de Ivan. A prova de que a poesia é imagem. Imagem que a gente pinça no revés da vida e transmuta. E Ivan fez isso com maestria.

MEMBRANA

“Minha tarde é um cachorro na sombra

E olhos molhados pelo asfalto onduloso

É uma montanha levantando o braço

Poeira alcançando o branco, cor-camaleão”



O poema na íntegra mais todos os outros premiados farão parte de uma coletânea que é editada pelo Prêmio, a cada dois anos desde o seu início. O próximo é para 2010. Para Taiza Mara Rauen Moraes, professora e coordenadora do Programa Institucional de Incentivo à Leitura (Proler/Joinville) o aumento no número de inscrições comprova a necessidade da manutenção e fortificação do Prêmio. As possibilidades estão lançadas. Dentro de cada um que esteve envolvido com ele e que, premiado ou não, traz em si o desejo de se pronunciar através da palavra. É como disse Ana Diefenthaeler “Ano que vem tem mais. O Prêmio só vai acabar se as pessoas deixarem de escrever”. E tanto mais escreverão se continuarem lendo. Não tem jeito dessa equação não se fazer assim. Quem ganha com isso? Todos nós.

Postagens mais visitadas deste blog

AH O AMOR. O TAL AMOR... É MINHA LEI, MINHA QUESTÃO ;)

Como minha avó, eu poderia dizer que amor é quando, juntos, se come um saco de sal; ou quando de um limão, se faz uma limonada. (mas com ou sem açúcar? ); eu mesma poderia dizer que amor é quando se faz um poema. quando se faz uma canção... quando se canta uma canção, pode ser amor. 
Quintana diz: “O amor é quando a gente mora um no outro”. Danilo Caymmi pergunta “O que é o amor? Onde vai dar? Parece não ter fim. Uma canção cheia de mar que bateu forte em mim”. 

Há quem diga que amor é tirar da própria boca para alimentar alguém, fazer o bem sem olhar a quem. (mas o que é o bem, não é? sabe lá.) Amar é discórdia; e Lacan aponta: “Amor é dar o que não se tem a quem não é”. Acho lindo (achar lindo acho que é amor).

 Eu amo.Tu amas. Nós amamos. Vós amais. Eles amam. Você ama. É a força do verbo. Alguns dizem que amar é jamais ter que pedir perdão. Outros que amar é sofrer. É rir junto e então olhar dentro do olho do outro, e rir mais ainda. Amar é conviver. Morrer. Ceder. Calar. Passar a bo…

MOVIMENTOS EM SI MAIOR ou TOCA RAUL

debaixo de MOVIMENTOS EM SI MAIOR  (diz a lenda  que si maior pode ser uma escala estranha, incômoda e cheia de sustenidos... ),anoiteço.

o que nubla em mim, transparece em meu cristalino. isso é algo que achei bonito mas é também a descrição da catarata. 
como o sangue é rio que irriga a carne, definir é para quando se pode e do jeito que é possível - são afirmações que capturo enquanto permaneço não essencial - tão somente unidade de informação e multiplicação e enquanto, jardim e orvalho, sorrio o doce-amargo de um hiato.
ainda assim, sou de fato objeto da seleção natural. composição molecular e desejo. misto de carbono e água. resultado da oscilação de taxas hormonais. vertigem nos braços de um homem. poção de acasos e paisagem equatorial. fenômeno imprevisto e desintegração. uma nota de perfume depois da passada. o início, o fim e o meio.

quer saber? toca Raul :)

OUTONIAS DE AMOR EM PROSA

sim, estou um pouco desgarrada; um pouco sonâmbula. é que tudo anda meio esquisito e talvez sem explicação. mas sim. acho que se fosse comida, coisa dentro da gaveta e até um poema, claro que seria sorriso dentro dos olhos, boca na pele e som da voz tilintando dentro. acho que sim, se fosse desenho, haveria um canto em branco para preencher. fosse sonho, ainda que acordado, haveria um rubro no ar a avermelhar bochechas. talvez fosse um caminho, e a pele e um roçar de braços no caminho. mas se fosse sonho mesmo,  dentro do sono,  depois dele talvez amanhã; talvez café. e se acaso durasse, sonho e vida, vapor, súplica e assovio; apesar da exatidão matemática e das flores rabiscando o chão, sim, ainda estaria aqui: cativa entre hábitos, maravilhas e aberrações.