Pular para o conteúdo principal
http://poetasnosingular.blogspot.com.br/2009/10/tres-singulares-na-feira-do-livro-de.html

quarta-feira, 28 de outubro de 2009


Três singulares na Feira do Livro de Porto Alegre

Cristiano Moreira, Dennis Radünz e Marco Vasques farão debate sobre a literatura feita em Santa Catarina na Feira do Livro de Porto Alegre

Santa Catarina é o estado homenageado na Feira

A Feira do Livro de Porto Alegre contará com a participação expressiva da literatura catarinense durante sua 55ª edição, que começa nesta sexta-feira (30) e termina em 15 de novembro. Este ano, Santa Catarina comparece como Estado Convidado, e 15 escritores e estudiosos de literatura foram indicados para integrarem a movimentada programação da feira, participando de mesas redondas e divulgando seus trabalhos.
O catarinense Silveira de Souza será o escritor homenageado, em uma lista da qual também fazem parte Dennis Radünz, Carlos Henrique Schroeder, Rodrigo de Haro, Alcides Buss, Amilcar Neves, Clotilde Zingali, Ramone Abreu Amado, Cristiano Moreira, Fabio Brüggemann, Tânia Piacentini, Péricles Prade, Eliane Debus, Marco Vasques e Tânia Ramos. “Levamos em conta a qualidade e representatividade literária desses escritores e estudiosos. Tomamos cuidado para também indicar representantes da nova geração da literatura catarinense, e procuramos representantes de fora da Capital, apesar de haver grande concentração de escritores em Florianópolis, o que é natural. Foi um trabalho difícil, inclusive tivemos convidados que declinaram por problemas pessoais, como agenda comprometida ou problemas de saúde”, explica a diretora de Difusão Artística da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), Mary Garcia, que coordena a ida da comitiva catarinense para a Feira.
Ela lembra que esta é a primeira vez que Santa Catarina participa como Estado Convidado. Segundo o presidente da Câmara Rio-Grandense do Livro João Carneiro, entre os motivos que levaram à escolha do Estado estão a possibilidade de troca cultural com o Rio Grande do Sul e a riqueza da cultura catarinense, em especial no que se refere à produção literária e editorial. Para Mary Garcia, a participação é muito importante para o Estado. ?Essa é uma oportunidade muito especial para promover o contato com escritores de todo o Brasil e do exterior, mostrar nossa literatura e apresentar o pensamento catarinense através dos debates?, considera.
A homenagem ao escritor Silveira de Souza está prevista para o dia 02 de novembro, segunda-feira, e será precedida pela declamação de dois contos do autor pelo também literato Dennis Radünz. No dia anterior (1), Silveira de Souza autografará seu décimo livro, “Janela de Varrer”, da Editora Bernuncia, lançado em 2006. Aos 76 anos, o ocupante da 33ª cadeira da Academia Catarinense de Letras transita entre os diversos gêneros literários e é reconhecido pela habilidade em transformar os desencontros da vivência humana em ficção. Os catarinenses protagonizarão também muitos lançamentos de livros e sessões de autógrafos, e integrarão mesas redondas sobre temas variados, como reedição dos autores dos séculos XIX e XX, novos editores e autores e leitura na internet.
A Feira do Livro de Porto Alegre é maior feira a céu aberto da América Latina e atrai milhares de pessoas todos os anos. Toda a estrutura será montada na Praça da Alfândega, no Centro de Porto Alegre, onde estará também o estande catarinense. Lá, os escritores se revezarão no lançamento de livros, encontros e oficinas. Segundo Mary Garcia, a permanência média dos autores de Santa Catarina na feira será de dois dias para cada um. Ela ressalta que a FCC vai arcar apenas com o valor das passagens, já que hospedagem, alimentação e translado do hotel ao evento serão pagos pela Câmara Riograndense do Livro.


MESA 2 “Literatura Catarinense: Novos Autores/Editores”
DIA: 02 de novembro de 2009
HORÁRIO: 17h30 - Sala O Arquipélago - CCCEV


Péricles Prade
Cristiano Moreira
Dennis Radünz
Fabio Brüggemann
Marco Vasques

Matéria feita pela jornalista Deluana Buss

Postagens mais visitadas deste blog

AH O AMOR. O TAL AMOR... É MINHA LEI, MINHA QUESTÃO ;)

Como minha avó, eu poderia dizer que amor é quando, juntos, se come um saco de sal; ou quando de um limão, se faz uma limonada. (mas com ou sem açúcar? ); eu mesma poderia dizer que amor é quando se faz um poema. quando se faz uma canção... quando se canta uma canção, pode ser amor. 
Quintana diz: “O amor é quando a gente mora um no outro”. Danilo Caymmi pergunta “O que é o amor? Onde vai dar? Parece não ter fim. Uma canção cheia de mar que bateu forte em mim”. 

Há quem diga que amor é tirar da própria boca para alimentar alguém, fazer o bem sem olhar a quem. (mas o que é o bem, não é? sabe lá.) Amar é discórdia; e Lacan aponta: “Amor é dar o que não se tem a quem não é”. Acho lindo (achar lindo acho que é amor).

 Eu amo.Tu amas. Nós amamos. Vós amais. Eles amam. Você ama. É a força do verbo. Alguns dizem que amar é jamais ter que pedir perdão. Outros que amar é sofrer. É rir junto e então olhar dentro do olho do outro, e rir mais ainda. Amar é conviver. Morrer. Ceder. Calar. Passar a bo…

MOVIMENTOS EM SI MAIOR ou TOCA RAUL

debaixo de MOVIMENTOS EM SI MAIOR  (diz a lenda  que si maior pode ser uma escala estranha, incômoda e cheia de sustenidos... ),anoiteço.

o que nubla em mim, transparece em meu cristalino. isso é algo que achei bonito mas é também a descrição da catarata. 
como o sangue é rio que irriga a carne, definir é para quando se pode e do jeito que é possível - são afirmações que capturo enquanto permaneço não essencial - tão somente unidade de informação e multiplicação e enquanto, jardim e orvalho, sorrio o doce-amargo de um hiato.
ainda assim, sou de fato objeto da seleção natural. composição molecular e desejo. misto de carbono e água. resultado da oscilação de taxas hormonais. vertigem nos braços de um homem. poção de acasos e paisagem equatorial. fenômeno imprevisto e desintegração. uma nota de perfume depois da passada. o início, o fim e o meio.

quer saber? toca Raul :)

OUTONIAS DE AMOR EM PROSA

sim, estou um pouco desgarrada; um pouco sonâmbula. é que tudo anda meio esquisito e talvez sem explicação. mas sim. acho que se fosse comida, coisa dentro da gaveta e até um poema, claro que seria sorriso dentro dos olhos, boca na pele e som da voz tilintando dentro. acho que sim, se fosse desenho, haveria um canto em branco para preencher. fosse sonho, ainda que acordado, haveria um rubro no ar a avermelhar bochechas. talvez fosse um caminho, e a pele e um roçar de braços no caminho. mas se fosse sonho mesmo,  dentro do sono,  depois dele talvez amanhã; talvez café. e se acaso durasse, sonho e vida, vapor, súplica e assovio; apesar da exatidão matemática e das flores rabiscando o chão, sim, ainda estaria aqui: cativa entre hábitos, maravilhas e aberrações.