Pular para o conteúdo principal
VERA
Vera, a professora de inglês que mora no 508, disse para Isabel sobre sua zanga. Culpou Eliseu por tudo que houve na história deles. Mas deixou claro que não guarda rancor. Parece insensato da parte dela, mas Vera, embora esteja se virando mal e porcamente com o dinheirinho que entra das aulas, tem formação em física e sabe, dentro dela, que isso não é uma condição estática. Ontem, por exemplo, pensava no princípio da incerteza. Sabe que por esse princípio não é possível se ter a certeza da posição e da velocidade de uma partícula, simultaneamente, e que, quanto maior a precisão com que se conhece uma delas, menor será a precisão com que se pode conhecer a outra. É este o princípio que está na base da mecânica quântica. A partir desse conhecimento ela se sente naturalmente impelida a ver o mundo, as coisas e as pessoas por outra ótica. Diz: não tem jeito, conhecer a física quântica mudou quase tudo que eu sabia. Até a imagem de Eliseu. Pois se em 1919, o cientista alemão Werner Heisenberg definiu esse conceito, quase 100 anos depois isso não pode ser negado por ela. Então, quando Eliseu escureceu tudo que ela pensava saber das coisas e ela se viu afundar no que, cotidianamente lhe parecia areia movediça, começou a buscar esse conhecimento. Pelo princípio, a forma mais óbvia de se conseguir medir com precisão a posição e velocidade de uma partícula seria fazer incidir luz sobre a mesma para se ter a indicação de sua posição. E assim fez. Começou a pensar em tudo que Eliseu iluminava para ela. Como se o rapaz pudesse mesmo ser foco de luz. O que ela não contava, ou melhor, o que ela não considerou a princípio, foi que a quantidade de luz sobre as coisas que ela começou a ver pudesse perturbar e alterar suas posições de forma absolutamente imprevista. Lembra-se da física tradicional newtoniana. A Física Clássica. Através dela seria possível, considerando-se a posição inicial, calcular suas interações e prever  que ocorreria. Mas qual será a posição e o momento exato das coisas? Pode haver uma fórmula que explique e equacione o princípio da incerteza. Heisenberg que o diga. Mas como equacionar e calcular as imprevistas interações? As mudanças das coisas após o foco de luz e a nossa própria mudança? Pensa que a partir daí é só mistério que há. E talvez um efeito dominó... Mas o que haverá depois da queda da última peça? Uma função de 2° grau? Uma parábola? Porque assim o mínimo rende o máximo? De uma migalha a gente faz um bolo de noiva? É. Substancialmente é isso. Não importa o que a vida te dá, mas o que você faz com o que a vida te dá. Pergunta-se se isso é Sartre ou não é. Vera pensa que seria melhor ter estudado filosofia do que física. Talvez então pudesse dar mais respostas para as coisas, ou, quem sabe, fazer mais perguntas (o que importa são as perguntas). Talvez então não estivesse ganhando merrecas dando aula de inglês. Talvez Eliseu nem existisse. Fosse uma projeção dela mesma. Nesse caso, a zanga seria com ela. Seria fruto da sua insatisfação. Mas isso é filosofia ou não? De qualquer modo, descarrega a cartela de tranqüilizante no vaso sanitário, puxa a descarga e corre tomar um antiácido. A efervescência há de lhe abrir algum caminho enquanto a Casa de Pão cheira um delicioso frango assado.

Postagens mais visitadas deste blog

AH O AMOR. O TAL AMOR... É MINHA LEI, MINHA QUESTÃO ;)

Como minha avó, eu poderia dizer que amor é quando, juntos, se come um saco de sal; ou quando de um limão, se faz uma limonada. (mas com ou sem açúcar? ); eu mesma poderia dizer que amor é quando se faz um poema. quando se faz uma canção... quando se canta uma canção, pode ser amor. 
Quintana diz: “O amor é quando a gente mora um no outro”. Danilo Caymmi pergunta “O que é o amor? Onde vai dar? Parece não ter fim. Uma canção cheia de mar que bateu forte em mim”. 

Há quem diga que amor é tirar da própria boca para alimentar alguém, fazer o bem sem olhar a quem. (mas o que é o bem, não é? sabe lá.) Amar é discórdia; e Lacan aponta: “Amor é dar o que não se tem a quem não é”. Acho lindo (achar lindo acho que é amor).

 Eu amo.Tu amas. Nós amamos. Vós amais. Eles amam. Você ama. É a força do verbo. Alguns dizem que amar é jamais ter que pedir perdão. Outros que amar é sofrer. É rir junto e então olhar dentro do olho do outro, e rir mais ainda. Amar é conviver. Morrer. Ceder. Calar. Passar a bo…

MOVIMENTOS EM SI MAIOR ou TOCA RAUL

debaixo de MOVIMENTOS EM SI MAIOR  (diz a lenda  que si maior pode ser uma escala estranha, incômoda e cheia de sustenidos... ),anoiteço.

o que nubla em mim, transparece em meu cristalino. isso é algo que achei bonito mas é também a descrição da catarata. 
como o sangue é rio que irriga a carne, definir é para quando se pode e do jeito que é possível - são afirmações que capturo enquanto permaneço não essencial - tão somente unidade de informação e multiplicação e enquanto, jardim e orvalho, sorrio o doce-amargo de um hiato.
ainda assim, sou de fato objeto da seleção natural. composição molecular e desejo. misto de carbono e água. resultado da oscilação de taxas hormonais. vertigem nos braços de um homem. poção de acasos e paisagem equatorial. fenômeno imprevisto e desintegração. uma nota de perfume depois da passada. o início, o fim e o meio.

quer saber? toca Raul :)

OUTONIAS DE AMOR EM PROSA

sim, estou um pouco desgarrada; um pouco sonâmbula. é que tudo anda meio esquisito e talvez sem explicação. mas sim. acho que se fosse comida, coisa dentro da gaveta e até um poema, claro que seria sorriso dentro dos olhos, boca na pele e som da voz tilintando dentro. acho que sim, se fosse desenho, haveria um canto em branco para preencher. fosse sonho, ainda que acordado, haveria um rubro no ar a avermelhar bochechas. talvez fosse um caminho, e a pele e um roçar de braços no caminho. mas se fosse sonho mesmo,  dentro do sono,  depois dele talvez amanhã; talvez café. e se acaso durasse, sonho e vida, vapor, súplica e assovio; apesar da exatidão matemática e das flores rabiscando o chão, sim, ainda estaria aqui: cativa entre hábitos, maravilhas e aberrações.