domingo, 14 de agosto de 2016

SOBRE CAVALGAR

O poema galopa sobre
os cascos
salta dentro do vento e do cheiro
salta no oco da palavra;
https://wallpapersdoalvaro.blogspot.com.br/2011/10/cavalos-selvagens.html
veloz faz a curva
pele e pêlo.

O poema não aceita ser encilhado.

Postagem em destaque

SOBRE QUESTÕES RESPIRATÓRIAS E AMORES INVENTADOS

http://metropolitanafm.uol.com.br/novidades/entretenimento/imagens-incriveis-mostram-a-realidade-das-bailarinas-que-voce-nunca-viu...