quarta-feira, 16 de março de 2016

ADÉLIA





ADÉLIA

em meio a alfinetes, tesoura, aranhas e o remanso do entorno; enquanto oscila, sentada ao pé da cama, a moça admite: sim, sou romântica. o que mais deseja, na flor de uma belezura difícil porque sagaz e ladina, é dizer que sim sem medo da voz sair baixa ou entrecortada pelo susto (parece susto?). apesar do outono que desponta e da pele que se dobra anda suspensa em flores:  hibiscos em hemorrágico despetalar. ela pensa em um alçar de aves – na urgência da boca a se dobrar em nervuras e em outros descaminhos. deixa que seu corpo ocupe o necessário espaço em cada cada passo. ocupe o necessário espaço no tempo que a conduz a cada novo movimento. aguarda em seu corpo e em tudo que oscila nesse espaço de ausência: poema e travessia.

Postagem em destaque

SOBRE QUESTÕES RESPIRATÓRIAS E AMORES INVENTADOS

http://metropolitanafm.uol.com.br/novidades/entretenimento/imagens-incriveis-mostram-a-realidade-das-bailarinas-que-voce-nunca-viu...