TURBULÊNCIA VIRAL


http://lucianomartins.art.br/galeria-on-line-acervo/
de viés, sob o baixo dos olhos, o homem faz silêncio. asculta, mas caso perguntasse, diria que, ainda que inexata, me sinto agora mais demonstrável. por exemplo:

aceito a ideia da mente como máquina de fazer relevâncias; 

olhando para frente, sigo aberta e precipitada. 

exagero nas cores do que me anima 

dou amplitude aos ossos e músculos que me carregam sob alcunhas diversas.

estou quase em paz. 

sou alguma ferrugem nos nervos, volúpia e aconchego; fertilidade e seca. 

em cada palmo de mim o sol brilha e se apaga

acato flores de cerejeira e revoadas de pássaros.

aceito e acato o que chega e o que vai. 

procuro nas coisas vagas, cadência; mas se for preciso, eu brigo. 

ele, de olhos baixos, dentro do jaleco, talvez anotasse coisa qualquer no papel. 

Postagens mais visitadas deste blog

DA CALMA E DO SILÊNCIO

COISAS VERMELHAS

EX-VOTO, ADÉLIA PRADO