Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2015

PROTOCOLO SEM INDIGNAÇÃO PARA QUARTA-FEIRA DE CINZAS

Imagem
protocolo sem indignação para quarta-feira de cinzas
foto: Clotilde Zingali - bar do Motta 2015

por excesso ou não de opacidade, quando se ultrapassa a ideia dos olhos e do olhar, o que sobra é oscilação e sobrevivência. sobra permear pelo ocaso. pelo acaso de estar no momento. sol que cai. eu dentro. por isso talvez garimpo e cavo a terra em busca do que freme e não brilha. de impulso e de ar. de sal e doce. porque preciso ter fome. isso nada tem a ver com a altura do morro ou as curvas do trajeto. nada que se possa calcular. se pondero e peso algo com minhas próprias mãos é porque talvez eu seja desenhada em ousadia e nitidez. todo contorno derivado do fluxo discreto da letra, pela forma integral da palavra e pelo que lhe dá impulso. no que sobra, sou caminho, pedregulho que barulha sob meus sapatos e o barulhinho das ondas que chegam no quintal de casa. sol que cai. eu dentro. tudo é viagem e pernoites. dia seguinte, café.

5 MOVIMENTOS EM SI MAIOR

Imagem
foto Clotilde Zingali 2015 em praia do Francês/SC
5 MOVIMENTOS EM SI MAIOR (diz a lenda  que si maior pode ser uma escala estranha, incômoda e cheia de sustenidos... )
1. o que nubla em mim, transparece em meu cristalino. isso é algo que achei bonito. é também a descrição da catarata. definir é para quando se pode e do jeito que é possível. o sangue é rio que irriga a carne. são afirmações que capturo enquanto permaneço não essencial. tão somente unidade de informação e multiplicação. objeto da seleção natural. composição molecular e desejo. misto de carbono e água. resultado da oscilação de taxas hormonais. vertigem nos braços de um homem. eu poção de acasos, paisagem polar; fenômeno imprevisto e desintegração. Sim, ainda tenho flores no olhar. jardim e orvalho. no mais, sorrio o doce-amargo de um hiato.

AH!

Imagem
www.pinterest.com

tudo que pode haver e que vai caindo debaixo do silêncio ou com música para dançara gente vai catando;vai catando e separando,por exemplo: separa a vontade da gente da vontade das coisas e do que havia para ser dito.as coisas vão caindo e a gente deixa ou não que vá saindo e...mesmo assim tremendo mesmo assim se espantando a gente vai separando;separa o que diz do que escreve e o que se diz e escreve, a gente separa das pausas (sempre elas);nas pausas a gente vê o que resta, vê o que sobra e pode ex (im) plodir …entre que se diz e o que nãoentre o que cai e a gente cataentre o que se fala e o que se calasobra corpo, palavra e silêncio, entre o que se diz e que silencia, sobra sexo e poesia. 

ROSA DE JERICÓ

Imagem
Desenho Tulipa Ruiz
ROSA DE JERICÓ
pensamentos tateiam cutucam e insistem; gravitam entre dois tempos e uma só promessa. a viagem é escrita e devaneio. é provar ser deliciosamente experimental e incompleto, enquanto resta no chão uma ideia antiga de maturidade. misturado imiscuido disfarçado declarado ou não, gabaritado surtado escondido escancarado. o que sobra é saara. pedras e rochas esculpidas pelo vento mais o reflexo do sol que cintila criando miragens: acácias cheias de espinhos são camelos vacilantes vindo em sua direção. no deserto, a única doença endêmica é a loucura. o que sobra é composição e poesia. pura reinvenção. 

VENDAVAL SEM VIOLÃO

Imagem
Clotilde Zingali - hidrográfica sobre papel 2014
VENDAVAL SEM VIOLÃOnão é porque recolhi uma a uma minhas coisas sobre a cadeira sobre a cama no banheiro e até do armário da lavandaria encaixotei colares reclamações e até a torneira antiga da cozinha que um dia começou a pingar por anos até que trocasse eu fechei não é porque dobrei lençóis e toalhas e recolhi pinça alicate calcinha e até uma cueca sua para ter de lembrança ou coar café para algum desafeto em um delírio que nunca terei ou porque guardei tudo que nunca houve de fato e agora tudo que é meu ou que um dia foi meu está lá dentro abafado emaranhado dentro das malas velhas no alto do armário que eu nem alcanço, não é.é talvez essa sensação de estar quase morta quase viva sem poder respirar direito e ainda assim atravessar o vão livre entre a porta de entrada e a garagem quase nua quase vazia quase invisível para depois engolindo a laranja do suco as sementes as fibras e até a vitamina c que eu preciso para espantar os radicai…