Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2015

TERRA NATAL

Imagem
Pergunta-se o que é Terra Natal. Escuta dizerem
que tal qual o amor, é coisa única. Um só amor. Uma só terra natal. Mariana não pensa assim. Sente-se capaz de abrigar em si muito amor. Amor simultâneo por coisas, cidades e pessoas. Por isso ama Edgar e Rafael. O vestido com estampa de oncinha e os chinelos. Por isso navega nas ruas de tantas cidades e diz: eu nasci aqui. À muitos lugares ela sente pertencer. Lembra-se das aulas de matemática e dos símbolos de  pertence e não pertence... Fundamental é mesmo o amor. E isso não muda. Do que muda, ela escuta o que se avizinha e faz ninho no seu quintal. Ao cair da tarde, vislumbra possibilidades de recriar-se e sair da mesmice. Estamos todos destinados à mesmice! , diz apocalíptica. Dentre as mudanças, ela prefere aquelas que não tecem motivos para acontecer. Aquelas que se interpõem feito tiro – entre o disparo e o alvo. E simplesmente não tem para onde correr. Não há tempo, talvez, para temer. Mariana gosta de experimentar desassossegos,…

SINAL FECHADO

Imagem
SINAL FECHADO
Dezembro, 24. Mais uma vez é natal. Repetição e possibilidade de enxergar diferente a mesma coisa, a mesma situação. Para talvez poder se surpreender. Pelas nossas atitudes ou pelas dos outros. Simples assim. Salve Lenine! Todos os dias tem isso. O natal é um data que traz isso; e junto, traz aquilo tudo que a gente empresta dos outros e também dos momentos, para agregar às nossas fantasias e dar sentido às nossas vidas. Se podemos emprestar a loucura, o corre-corre, os presentes, os panetones (e a vida que às vezes acaba em panetones caríssimos!), de outro lado podemos emprestar o desejo genuíno de olhar para o nosso desejo. O desejo de representar no mundo da fantasia o NOSSO desejo mais de dentro. Silenciar um pouco diante da correria para nos escutar e, quem sabe, escutar o outro. Tentar subtrair um pouco as armaduras tantas. Como na música “Sinal Fechado” de Paulinho da Viola, que diz que no nosso corre-corre estamos “sempre a cem”. Se deixar surpreender com algo. …